Clemir Fernandes: SOU PASTOR

Clemir Fernandes

UM QUARTO DE SÉCULO 

29 de novembro de 1989 era uma quarta-feira, caía uma chuva torrencial, mas isso não impediu centenas de amigos e irmãos encherem o templo da Igreja Batista XV de Novembro (Rio), para a cerimônia de minha ordenação pastoral. Elias Werneck presidiu o concílio e a celebração, Silvino Carlos Figueira Netto e o Coro Jovem cantou “Cubra-me Deus com sua justiça e santidade”. O concílio examinador ocorreu quatro dias antes (25/11), no Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil, tendo Landon Jones como examinador geral e a participação dos seguintes pastores, além dos já mencionados:  Júlio Cesar Miguel Rangel, Walmir Vieira, Herodiel Bastos, Denivan Silveira de Oliveira, Jacy Mattos Tostes, Marcos Edgard Coutinho Coure, João Francisco de Oliveira, Elias de Oliveira Nogueira, Jair Braz, João Correira da Rocha Neto, Geraldo Rodrigues Pereira, Agostinho Gonçalves Ribeiro, Vilmar Nobrega do Nascimento e José Mauro Rodrigues.

Sou sociólogo, professor, pesquisador, escrevinhador, ‘ativista da justiça’, mas creio que dentre estas identidades profissionais-‘voluntariais’ aquela que sobressai e perpassa todas as outras é minha vocação pastoral. O que assumi há 25 anos, repetindo a leitura de Cristo, continua sendo um desafio-compromisso missional para mim: “O Espírito do Senhor está sobre mim, porquanto me ungiu para anunciar boas novas aos pobres; enviou-me para proclamar libertação aos cativos, e restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos, e para proclamar o ano da graça do Senhor” (Lc 4.18, 19).

Apesar ou por causa de estruturas anti-evangélicas, inclusive denominacionais e mesmo eclesiásticas, sou pastor. Pastor de e para pessoas. Por amor a Cristo e a justiça-paz de seu Reino.