Jocyléia Santana dos Santos: SACERDOTISAS DO SERTÃO: HISTÓRIAS RELIGIOSAS

SACERDOTISAS DO SERTÃO:
HISTÓRIAS RELIGIOSAS
Jocyléia Santana dos Santos*
Resumo: o texto narra a história de mulheres que implantaram a religiosidade
da denominação batista entre o final da década de 1930 até o início dos anos
de 1980.
Palavras-chave: mulher, batista, sertão, memória, história
Abstract: this article describes the histories of women that established the Baptist
religion, from late 30's to early 80's, in the former northern region of the state of
Goias, where the hard condition of transportation, commerce, health and education
were enormous.
Key words: women, Baptist, memory, history, inland
J
Contando histórias....
á era noite quando um grupo de moças da Primeira Igreja Batista de Vitória atravessou o largo portão que limitava o cais do porto. A conversa era animada, enchendo de notas alegres a semi-obscuridade reinante. De longe em longe um poste
iluminava fracamente o ambiente.
Ao centro trajando simplesmente, iam duas jovens missionárias que seguiam para
o interior pátrio a fim de testemunhar de Cristo através da Junta de Missões Nacionais.
Beatriz Silva orientava a conversa. Seu primeiro período de atividades no sertão a tornaDossiêRevista Mosaico, v.2, n.2, p.134-140, jul./dez., 2009 1 3 5
va alvo da curiosidade de todos. Uma garota ia ao seu lado, silenciosa, timidamente
segurando uma de suas mãos.
Pararam. Ali estava o navio, da linha Itas, com suas lanternas vermelhas prevenindo sua presença. Começaram as despedidas. Abraços, votos de bênçãos incontáveis no
serviço... palavras de gratidão.
A garota sensivelmente emocionada, abraça a jovem missionária e lhe diz:
_ Dona Beatriz, eu queria tanto ir trabalhar com a senhora...
_ Um dia você vai garota. Você ainda precisa estudar mais, se preparar. Um dia
você vai...
Era janeiro de 1942.
Somente seis anos depois estas palavras se concretizaram. A garota chegou ao campo missionário e trabalhou dois anos em Carolina, 80 léguas distante de Tocantínia, sede
do trabalho de Beatriz Silva. Depois foi trabalhar com a Escola dali. Realmente aqui começa nossa história...(GONÇALVES, 1962).Essa é a história de Margarida, de Beatriz
....de todas as mulheres que foram sacerdotisas no sertão do Brasil Central Brasileiro, o
nortão goiano. Região inóspita, aonde só o barco a motor podia chegar. Rincão onde
apenas o lombo do burro podia cortar. Mulheres devotas que seguiam um ideal, o de
divulgar sua religião a todos os nortenses que precisassem de fé, de amor e de esperança.
Esperança de uma mensagem redentora, de uma escola onde pudesse colocar os filhos
para estudar, esperança de futuro melhor.
Memórias
Concentremo-nos agora, fechemos os olhos,
remontemos o curso do tempo tão longe quanto
nos seja possível, tanto quanto nosso pensamento
possa se fixar em cenas ou pessoas das quais
conservamos a lembrança. (HALBACHS, 1990)
A memória dos meus pais foi um dos elementos constitutivos para minha visão
histórica. E, mais ainda, pelo contato com uma memória dos tempos de infância, que
projeto neste artigo, narrando a trajetória de três mulheres que marcaram a minha juventude: Marcolina Magalhães, Beatriz Silva e Margarida Gonçalves.
Em abril de 1971, a convite da Junta de Missões Nacionais (JMN)
1
, chegava a Transamazônia (Marabá, PA) o casal José Batista Freitas Santos e Josefa Santana dos Santos,
missionários da denominação Batista. O desafio era pregar o Evangelho com recomenda-
ções do Secretário Executivo da Convenção Batista Brasileira (CBB) Pastor Samuel Mitt(
2001,p.28): “[...] Caberá aos irmãos a tarefa de alargar-lhes os horizontes para a visão do
mundo necessitado de Cristo”.
No ano seguinte, a JMN transfere os obreiros para a cidade de Araguatins, norte de
Goiás. Um Simpósio de Missões, no Rio de Janeiro apontou o ponto básico da filosofia
missionária para o período: a expansão missionária através da evangelização. Dezembro
de 1974 foi um marco na história dos batistas. Cento e duas pessoas de todo o país percorreram a Transamazônica, entre Marabá e Itaituba(PA), evangelizando de sítio em
sítio. Este método, de evangelismo pessoal foi intitulado Operação Transtotal, derivado
de Transamazônica, rodovia que corta a região amazônica.
José Batista continua a operação evangelística na Transamazônia na liderança da
operação Transtotal. As viagens eram constantes. Estradas pareciam trilhas, a guerrilha
do Araguaia ganhava o governo militar e a malária proliferava nos rincões do norte.
Contexto difícil para os recém-chegados missionários.Revista Mosaico, v.2, n.2, p.134-140, jul./dez., 2009 1 3 6
Ao completar cinco anos na missão, fizeram um culto de gratidão, com a presença
das autoridades araguatinenses. Josefa integrada na comunidade, participava de encontros com as senhoras da cidade nos cursos de culinária e reuniões da sociedade feminina,
na Primeira Igreja Batista de Araguatins
2
. Como resultado do trabalho realizado por
estes missionários foram organizadas três igrejas no Pará, a de Marabá, a da Palestina, e,
posteriormente, em 30.07.1978, a de São Domingos do Araguaia. Nesta última conheci
Marcolina Magalhãe, num dia ensolarado de novembro de 1977. A congregação estava
reunida no quintal para comemorar meu aniversário de sete anos, o bolo era de papelão
confeccionado pela missionária Gedília e outras companheiras de trabalho, Mirtes e Marta. Bacolina, como era conhecida pelas crianças, distribuía balas, doces e os participantes
em volta da mesa cantavam os Parabéns.
Como diz Halbachs (1990) “que as lembranças de um grupo religioso lhes sejam lembradas pela visão de certos lugares, localização e disposição dos objetos, não há do que se
espantar.” Este foi o meu contato com a primeira missionária batista do Vale do Tocantins,
nomeada pela JMN, em 1932, para a cidade de Porto Franco. Silva (1980, p. 24) conta com
detalhes sua chegada ao sertão:
Em fevereiro de 1932, fui a Tucuruí, no Pará, receber a primeira professora destinada
ao campo Tocantino. Após uma semana de espera, vi, com alegria, chegar esta que viria
a se tornar num dos mais queridos nomes para os batistas brasileiros – Marcolina
Magalhães. A viagem de volta transcorreu sem incidentes, mas o comandante nos deixou dois quilômetros abaixo de Porto Franco, o que nos forçou a deixar a bagagem
oculta no mato a beira do rio e voltar a pé até a cidade. Para D. Marcolina foi uma
surpresa agradável encontrar casas de telha e gente “alinhada”. Fiquei contente com a
impressão que a cidade lhe causou. Apesar de suas deficiências, o sertão conquista a
gente e entristece-me pensar que, ainda hoje, há quem pense que no interior só há cobras,
índios e gente ignorante.
Em Porto Franco, Marcolina dirigiu a escola batista com apenas quatorze alunos.
Um pequeno começo, mas os alunos se multiplicaram bem como as conversões. A “nova
religião,” como era conhecida, a que reunia os protestantes batistas, conquistava adeptos. No final da década de 1940, foi para Carolina, no Maranhão, onde atuou como
professora de Evangelismo. Essa localidade tinha o Instituto Teológico Batista, escola de
formação de missionários para a região.
Em 1925, o missionário americano Lewis Malen Bratcher realizou a primeira incursão missionária pelos Vales do Tocantins e Araguaia, e sob sua coordenação a atuação da
JMN passou a ser orientada por uma filosofia de ação bem definida. Sua grande ênfase
foi o interior do Brasil, principalmente o Vale do Tocantins. Entre as realizações deste
período, destaca-se a evangelização dos índios, com a nomeação dos missionários Zacarias e Noemi Campello, 1927, e Francisco e Beatriz Collares, em 1929, para a aldeia dos
índios Kraôs. (PEREIRA, 1985, p. 173)
Com Bratcher, a JMN teve como meta principal evangelizar o povo que habitava o
interior do Brasil, oferecendo uma formação escolar básica para o sertanejo. Com esta
filosofia, fundou escolas, dentre elas a de Porto Franco (MA) sob a direção de Marcolina
Figueira Magalhães.
A presença crescente de mulheres nas escolas e em outros espaços públicos revelava que a luta por destinos diferentes daqueles até então prescritos para elas, começava a
operar mudanças em suas expectativas. A reivindicação por escolas, direito ao voto e
outras prerrogativas de cidadania, passou a despertar a atenção de representantes de
diferentes segmentos sociais, políticos e religiosos. (PROJETO HISTÓRIA, 1981, p. 48)Revista Mosaico, v.2, n.2, p.134-140, jul./dez., 2009 1 3 7
Na denominação batista, as missionárias fundavam igrejas, realizavam cultos, faziam trabalhos de evangelismo com crianças e adultos, mas não podiam celebrar a Ceia do
Senhor
3
e batismos. Foram ‘quase pastoras’ embora não lhes fosse outorgado este título.
Por razões diversas, a Igreja restringiu severamente até o fim da era primitiva a esfera da
ação feminina (...) Os principais reformadores pouco fizeram para modificar a situação, a
despeito do exemplo dos Valdenses (século XII); mas os /amigos (Quacres), do século XVII,
prestigiaram os ministérios femininos. As igrejas protestantes no Brasil herdaram, em
geral, a atitude dos reformadores, particularmente quanto à pregação e a ordenação para o
ministério pastoral. (REILY, 1993, p. 383)
Neste contexto, a emancipação feminina se dará por meio da profissionalização da
profissão docente, tão útil e necessária ao sertão do norte de Goiás. Dispondo de conhecimento interdisciplinar, as missionárias desempenharam funções de evangelistas, ou seja,
sacerdotisas em primeiro lugar, mas atuavam em áreas afins como professoras, enfermeiras, conselheiras e legisladoras. Para reforçar o trabalho nesta região, foram designadas
mais duas obreiras para ensinar os princípios batistas e dirigir escolas, no ano de 1936:
Beatriz Rodrigues da Silva, em Piabanha atual Tocantínia (TO) e Lígia de Castro, em
Carolina (MA).
Conheci Beatriz Silva nas Convenções Batistas Estaduais
4
onde ela estava sempre
presente com seu instrumento musical, um órgão portátil, de onde se ouvia a melodia dos
hinos do Cantor Cristão. Compôs vários hinos, inclusive o do I Congresso da Mocidade
Batista do Tocantins (COMBATO), realizado em 1975, na cidade de Tocantínia. Originá-
ria do Rio de Janeiro, a vocacionada se destinou a Piabanha, numa viagem de 33 dias. A
futura Tocantínia, que foi elevada a categoria de município em 1953, às margens do
Tocantins, tinha uma rua com casa de tijolo e telhado branco. Mesmo numa localidade
com dificuldades de infraestrutura, o intuito era iniciar a evangelização através da Escola Batista.
Margarida Lemos Gonçalves narra a trajetória de Beatriz com uma reverência, dedicada à amiga e companheira de trabalho:
Os pais de Beatriz enviaram uma carta para JMN falando do anseio missionário de sua
filha quando ela tinha 26 anos. Nesse período foi morar na casa de L. M. Bratcher e estudar
na Casa de Obreiras na rua Conde Bonfim. Saiu do Rio de Janeiro no dia 2 de janeiro de
1936 e chegou a Vila Piabanha no dia 28 de janeiro. Não havia linhas aéreas para esta
região. O transporte era o barco. Em Piabanha encontrou Pr. Zacarias Campelo e sua
esposa Orfisa Campelo. Morou num quartinho com esses irmãos. (GONÇALVES, 2002)
A escola batista surgiu tanto da reivindicação de alguns moradores como também
da ausência de entidades de ensino. Oscar Sardinha vendeu um imóvel para Beatriz
visando ter uma professora para o ensino dos filhos. A dívida seria amortizada à medida
que os alunos quitavam as mensalidades. A escola tornou-se um núcleo de propagação
do evangelho cristão. Para melhorar a docência, a União Feminina Batista do Brasil,
5
doou a importância de vinte mil réis.
Conforme cadernos de diários da época, havia no primeiro dia de aula 28 alunos.
Concomitantemente com a prática docente, Beatriz iniciou visitas às aldeias xerentes e a
cidade de Bela Vista, atualmente Miracema.
Gonçalves(2002) enfatiza a importância político-social e religiosa da instituição educacional ao afirmar que:Revista Mosaico, v.2, n.2, p.134-140, jul./dez., 2009 1 3 8
Algumas lideranças políticas estaduais estudaram no Colégio Batista de Tocantínia. Beatriz foi Secretaria Executiva da Convenção Batista do Médio Tocantins. No período em que
existiam duas convenções batistas: uma em Tocantínia e outra em Carolina. O motivo da
divisão foi a distância geográfica e a dificuldades de transporte. Para chegar a Tocantinó-
polis demorava-se 5 dias. Os batistas já denominavam esta região de vale do Tocantins
antes do acirramento da luta separatista na década de 1950.
Práticas: críveis e memoráveis
A ausência de hospitais e instituições sociais proporcionaram a atuação dos batistas na assistência social. A liderança feminina foi necessária para dar soluções à vida
cotidiana das mulheres sertanejas. Em 1938, foram solicitados os dispensários médicos,
ambulatórios que atendiam a população. Para assumir o setor de enfermagem, foi designada a missionária Sarah Cavalcante que atuou em Pedro Afonso (GO).
Com a necessidade de novas metas no trabalho de evangelização, criaram os Institutos de Treinamento de Obreiros, buscando dar melhor capacitação teológica para os
missionários. Em 4 de abril de 1944, foi instituído o Instituto Teológico Batista de Carolina (MA), melhorando a formação educacional e religiosa no sertão.
O trabalho missionário feminino estava consolidado. Em 4 de novembro de 1948, é
enviada ao norte a missionária Margarida Lemos Gonçalves. Ela relata sua impressão
sobre o sertão:
Deixei minha cidade Rio de Janeiro, meus pais, meus amigos e minha igreja e fui para São
Paulo. E de lá para Carolina no Maranhão. Peguei o Trem da Central do Brasil e pela
manhã estava em São Paulo.Fomos no avião da Pan air, um DC3 que sacudia muito, para
Carolina. Achei bonito o Tocantins. Era novembro época de chuva. Morei com uma obreira
muito operosa Percides de Freitas, sobrinha de D. Aída de Freitas. Ali comecei meu trabalho
junto ao Instituto Batista de Carolina. Uma das minhas companheiras era Marcolina Magalhães, professora de Evangelismo do Instituto. (GONÇALVES, 2002)
Margarida e Beatriz realizaram inúmeras viagens a cavalo, visitando aldeias e atendendo sempre que possível às necessidades materiais e imateriais (espirituais) dos convertidos. Para estas viagens, levavam carne de sol, farinha, açúcar e café. O deslumbramento
pelo rio Tocantins e a cultura local é uma característica presente na entrevista. Margarida
enfatizava que a comida sertaneja era saborosa, o piqui se tornou prato predileto.
Na versão de Margarida elas foram definindo estratégias para as visitações para
melhor divulgação do evangelho:
As mulheres eram muito carentes, dávamos aconselhamento para casais, orientações para
criar filhos.Fizemos até um parto.E assim nós atuávamos como enfermeiras práticas. Para
os tocantinos éramos muito sabidas.Pois só nós tínhamos o nível de segundo grau e o curso
teológico. (GONÇALVES,2002)
Conclusão
Com a morte de Bratcher, em 1953, assumiu interinamente a JMN a missionária
Letha Myrtle Saunders, primeira mulher a desempenhar esta função na CBB. As escolas
e outras instituições sociais serão mantidas por projetos de fazendas para o seu sustento.Revista Mosaico, v.2, n.2, p.134-140, jul./dez., 2009 1 3 9
Em 1960, a Junta de Missões Nacionais foi reconhecida como utilidade pública pelo
Governo Federal. Com a ênfase do governo em assumir a educação, e as exigências da Lei
de Diretrizes e Bases da Educação nº 5.692/71, sobre o ensino no território brasileiro, a
Convenção Batista Brasileira aprovou a decisão da Junta de manter algumas escolas,
transferir outras para igrejas que assim quisessem, ou grupos de pessoas, e fechar as
demais.
O Colégio Batista de Palmas é um exemplo desse saudosismo. Sob a direção de
Margarida Lemos Gonçalves, o colégio persegue o lema das pioneiras, evangelizar, ensinando o conhecimento secular e espiritual. “O temor do Senhor é o princípio da Sabedoria” (Livro de Provérbios 1,7).
Para alguns autores, a memória não é apenas ideológica, mitológica e não confiá-
vel, mas sobretudo, uma forma de garantir o direito às identidades.Nesse sentido, as
práticas sacerdotais femininas surgem como questão religiosa a ser discutida nas Convenções Batistas Estaduais, nos Conselhos e na Ordem dos Pastores Batistas Brasileiros.
As mulheres construíram “ lugares de memória” na denominação batista no norte
de Goiás. Marcolina foi considerada a pioneira no setor de nomeação para função de
missionária. Beatriz assumiu como Secretária Executiva no período de divisão das Convenções Batistas na década de 1960. Margarida atua como diretora do Colégio Batista de
Palmas sendo líder influente na sociedade tocantina.
Convém destacar, porém, que outras missionárias colaboraram na implantação do
trabalho batista no sertão de Goiás, atual Tocantins, como Dilene Nascimento Rodrigues,
Dinalva Queiroz, Tilda Evaristo, Lívia Klava, Jamim Peixoto, Lúcia Margarida, Dudu
Costa, Vanda Braidotti Krieger, Eunice e Zezita Cunha. Algumas tiveram funções de
diretoras, professoras, evangelistas, enfermeiras, musicistas, tradutoras e, sobretudo, plantando igrejas, mantendo laços de solidariedade com a comunidade e sistematizando o
trabalho de evangelização.
Procuramos, ao longo deste artigo evidenciar o papel feminino na liderança eclesi-
ástica, num grupo religioso que ainda hoje perpetua a mentalidade judaico-cristã na qual
só poderia ser exercida pelo sexo masculino. Esta posição, ainda que seguramente distorcida, prevalece em alguns setores das Convenções Batistas Brasileiras.
Reconstruindo parte da memória dos meus antepassados, da minha própria histó-
ria, trouxe também à lembrança, a importância religiosa e cultural de três mulheres vinda de regiões diferentes do país, que deixaram centros urbanos desenvolvidos por uma
região inóspita do Brasil, onde a vida era e ainda é castigada pela pobreza. Essas mulheres souberam construir histórias e deixaram para a minha própria história e para a histó-
ria da região práticas críveis memoráveis.
Notas
1 A abreviatura JMN será utilizada ao longo do texto.
2 No dia 22 de abril de 1927 foi organizada a primeira Igreja Batista do norte de Goiás (denominado pelos
batistas como Vale do Tocantins) em Araguatins com cinco membros: Maria Pimentel, Feliciana Silva,
Maria Borges de Arruda, Euridice e Pastor Alexandre G. Silva.
3 Ceia ou Ceia do Senhor são os nomes usados para a cerimônia instituída por Cristo quando estava, por
poucas horas, neste mundo com os discípulos (1 Coríntios 11,24). Como o batismo, a ceia é uma ordenação,
não tem valor sacramental (Mateus 28.19).
4 Os batistas brasileiros organizaram, no dia 22 de junho de 1907, na Bahia, a Convenção Batista Brasileira,
cuja finalidade é, de acordo com o Art. 3. Do Estatuto, “coordenar o trabalho geral das igrejas batistas que
com ela cooperam, buscando desenvolver a obra da evangelização no país e fora dele, a beneficência, a
educação e a literatura cristã”. A convenção não legisla para as igrejas. Não é um órgão hierárquicoRevista Mosaico, v.2, n.2, p.134-140, jul./dez., 2009 1 4 0
controlador, pois, consoante o Parágrafo Único do Art. 3. “ a Convenção Batista Brasileira não exerce
nenhum poder jurisdicional ou legislativo sobre as igrejas; apenas dirige os trabalhos que mantêm e
recomenda as igrejas à maneira pela qual poderão cooperar com esses trabalhos.
5 Órgão da Convenção Batista Brasileira fundado em 1908 com a denominação de União Missionária das
Senhoras Batista do Brasil. Em 1963 passou a chamar-se de União Feminina Missionária Batista do Brasil
abrangendo senhoras, moças e meninas.
Referências
BOSI, Ecléa. Memória e Sociedade: lembrança de velhos. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.
GONÇALVES, M. L. A que faz feliz. Rio de Janeiro: Casa Publicadora Batista, 1962.
______. Entrevista concedida a J.S.S. Palmas (TO ), 20 Julho 2002.
HALBACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Vértice; RT, 1990.
MATHIAS, Myrtes. Mais que um desafio. Rio de Janeiro: Juerp, 1982.
MONTENEGRO, A. T. História oral e memória. Cultura popular revisitada. São Paulo: contexto, 1994.
PROJETO HISTÓRIA: Revista do Programa de Estudos de Pós-Graduados em História do Departamento de
História da PUC-SP. São Paulo: Editora da PUC, 1981.
PEREIRA, J. R. História dos Batistas no Brasil (1822-1982). Rio de Janeiro: Juerp, 1985.
REILY, D. A. História Documental do Protestantismo no Brasil. São Paulo: Aste, 1993.
SILVA, A. Evocações. Rio de Janeiro: Juerp, 1980.
MITT, S. A Pátria para Cristo. [S.l.:s.n.], 2001.
* Doutora em História pela Universidade Federal de Pernambuco. Professora Adjunto II da Universidade
Federal do Tocantins. Coordena os Projetos Procad Amazônia Capes/UFT/UFG – Fortalecimento de
Pesquisadores da Amazônia Legal e Projeto Acelera Amazônia – Doutorado Interinstitucional em Educação
Capes/UFG/UFT

http://revistas.ucg.br/index.php/mosaico/article/viewFile/971/679

Comentários

Nenhum comentário foi enviado.

Enviar Comentário

Por favor, entre para enviar comentários.

Avaliações

Avaliações estão disponíveis somente para membros.

Por favor, entre ou registre-se para avaliar.

Nenhuma Avaliação enviada.
Tempo de renderização: 0.05 segundos
10,533,011 visitas únicas